Mais informação, menos informado

Informação não significa rede social. É comum se deparar, cada vez com mais frequência, com pessoas passando informações sem preparo algum para o assunto, apenas mesmo contando com milhares de seguidores que absorvem tudo como verdade.

Não vou relatar aqui os inúmeros assuntos, mas para aqueles que dizem respeito à saúde deveria haver uma política mais severa por se tratar de vidas que, por muitas vezes, levam a tragédias.

Não acaba por aí, pois há todo tipo de assunto criando polêmica na internet, pessoas brigando por assuntos que não conhecem com outras que conhecem menos ainda. Que preguiça! É triste ver tanta informação descabida analisada por tantas pessoas que até ontem não sabiam nem o que estavam fazendo no mundo.

Todo excesso é perigoso, porém falar demais, e, principalmente, sobre o que não domina, também é perigoso. A vida real não está estampada nas telas do celular, está atrás dele, onde pessoas de verdade vivem com seu trabalho, suas contas a pagar, seus problemas, sem glamour algum; muito diferente de quem esbanja sabedoria, mas que na verdade deu certo na internet e passou a ganhar muito bem pra enganar.

Chegamos à conclusão de que ter nas palmas da mão tanta informação não serve para nada, apenas causa mais discórdia entre pessoas. A maldade passou a ser um divertimento sádico, que também causa tragédias. Mas quem é culpado? O desocupado e frustrado que vira gigante atrás do teclado ou a pessoa que, às vezes até por ingenuidade, quer mostrar um fato curioso, mas que aos olhos de um sádico vira uma ofensa?

A internet não chegou para virar terra de ninguém, chegou para ajudar, facilitar, aproximar as pessoas. O fato é que a vida se transformou num grande pega-pega, quem ganha, quem é melhor. Ninguém mais sabe para onde ir. Sabe-se tanto, mas também não se sabe nada ao mesmo tempo. Estão todos correndo em busca de alguma coisa, para não sei o quê, para mostrar para alguém o que não sabe.

Passar conhecimento sobre aquilo que estudou, aprendeu e pode ajudar, essa é a maneira certa de colaborar com o crescimento de outras pessoas, aí sim é uma informação de conteúdo. Agora, ir para uma telinha para atrair gente só pra crescer seu número, seu engajamento, não faça isso, não estará colaborando com nada, e de gente interesseira o mundo já tem demais.

Paz no mundo

Desde os primeiros relatos do mundo percebemos que sempre houve discórdia entre os homens e povos. Guerras, violência, maldades, desonestidade, vingança, entre tantas outras desavenças. O mundo nunca foi de paz.

Muitos fatos já ocorreram envolvendo tragédias, vítimas inocentes por brigas de poder e dinheiro, mas isso é o que sabemos através da história que conhecemos. O que vivemos hoje está aí, escancarado, sem filtros ou mesmo sem vergonha de mostrar o que estão dispostos a fazer e ponto; temos tudo à nossa frente, nos faltam a palavra, a união e o senso comum.

Enquanto no começo da história a matança era o melhor prato da vingança e da soberba dos poderosos daquela época, hoje a matança é provocada por atitudes que levam à morte dos sonhos, da dignidade e dos direitos que todo ser humano merece.

Como não dar importância a pessoas que têm fome, que não têm nem como morar dignamente por falta de recursos financeiros, falta de oportunidades, falta de uma mão que se estenda para um ser que necessita tanto quanto qualquer outro da subsistência? Ninguém está aqui para ser escravo ou minimizado como ser por outrem.

As guerras entre os povos, a maldade jogada no ser humano, ao ponto de levar ao desespero, como vimos recentemente no Afeganistão, pessoas fugindo, morrendo pelo medo do controle de um grupo que não tem nada de diferente, a não ser o poder com uma arma na mão. É uma matança indireta, assim como a fome e a falta de recursos para a sobrevivência.

É esse o mundo que esperávamos quando chegasse o século XXI? Ou como crescemos ouvindo que o fim do mundo seria no ano 2000? Não acabou o mundo, mas acabou a alegria de viver, a liberdade de ser quem se quer ser. Estamos divididos em pobres e ricos, poderosos e dominados, viver ou morrer.

É, acabou o mundo em 1999, quando, embora tivéssemos problemas, mas ainda éramos felizes. Por isso que hoje as pessoas procuram tanto a felicidade e não encontram, nada é o suficiente, sabe-se de tudo e de todos, estamos sempre à procura de algo e nem sabemos ao certo o que; a grama do vizinho é sempre mais verde. Até quando seremos reféns de outros seres humanos, que por se acharem mais espertos, mais sagazes, mandam e desmandam, matam, roubam, apontam o dedo, intimidam e matam a vida real de cada um?

O mundo precisa de paz, o mundo precisa da sua voz, de união para um bem comum. Precisa de mais solidariedade e amor no coração, o mundo não foi feito só para alguns, é de todos!

São muitas as pessoas que necessitam de ajuda, às vezes uma palavra, um abraço, um gesto de carinho. Um cobertor, um prato de comida, de respirar e sorrir. Seja alguém que valha a pena, faça sua parte. Não dá mais para esperar, o mundo precisa respirar, precisa de alegria. O sol nasce todos os dias e brilha, sigamos o exemplo da mãe natureza e vamos escolher nascer a cada dia e brilhar para a vida.

Maristela Prado

Você vive o futuro?

Não, ninguém consegue viver o futuro, sabe por quê? O futuro começa hoje, no agora. Ninguém pode esperar ficar rico, ser feliz, conquistar o que deseja no futuro se não começar agora.

Como é que conseguimos viver nos enganando? ‘Um dia vou ser feliz’, joga para o futuro como se a felicidade não fosse agora! Ou seja, se não trabalhar, não tiver sacrifício, vontade e disposição agora, não vai adiantar fazer daqui um mês, um ano, dez anos. Nunca chegará.

Só duas coisas nos acompanham, o passado e o presente. O passado são as lembranças do que já vivemos, e o presente é o que preparamos hoje para viver o futuro e lembrar quando for passado. Complicado né? Não, nós é que fazemos da vida um emaranhado de problemas que somente nós é quem criamos. É tão simples viver, temos tudo nas nossas mãos, mas achamos de mudar tudo, seguir pelo caminho errado, insistir em fazer o que não é pra ser feito, almejar o que não é pra você, e muitas outras coisas que teria que escrever um livro para explicar tudo.

Reclamar e só olhar pro próprio umbigo é egoísmo demais, ninguém tem tudo o que quer, faz tudo o que gosta, aceita a vida que tem. Mas, podemos agradecer por tudo que temos, por tudo o que podemos fazer, e viver a vida que temos; não há nada mais gratificante do que acordar todos os dias, levantar, andar, enxergar, trabalhar, sentir e viver.

Da próxima vez que pensar em reclamar, lembre-se que tem o privilégio de estar vivo, de lembrar do passado e, principalmente, escrever seu futuro agora.