E ainda não acabou

Há um ano e três meses vivemos um verdadeiro caos. Enquanto assistimos países sem mortes, sem máscaras, voltando a uma vida normal de liberdade, dignidade e sanidade, principalmente, nós ainda contabilizamos mortos e esperamos uma solução para que a população seja vacinada em massa. Já é tempo de voltarmos a fazer planos, de concretizar, de cada um de nós respirar o novo mundo.

Chega de notícias de mortes; queremos as notícias de vida; chega de não ter solução, queremos as soluções e justiça. Um país como o Brasil, de um povo alegre, acolhedor, não combina com esse massacre que estamos vivendo, nem a tristeza nem a falta de esperança.

Estamos no meio de um turbilhão de problemas de saúde, de economia, de história de um país onde a alegria e a esperança sempre moveram esse povo. Mas enterraram junto com essa pandemia tudo o que de melhor tínhamos, a alegria.

Agora procuram-se culpados pelo vírus, pela economia, pelo desemprego, pela tristeza. Mas quem é o culpado? O mundo, o país, a humanidade, a ganância, a doença dos tempos. Poder. Eu, você, quem é?

Há muito tempo o homem deixou de pensar no coletivo e passou a olhar apenas para o próprio umbigo, tudo se foi, estragaram tudo. O que sobrou? Brigas por tudo, por lado, pelo certo e pelo errado, pela divisão. E isso vai solucionar o quê? Não é possível que todos não queiram a mesma coisa.

Se houvesse um mínimo de empatia entre as pessoas, a união se faria presente e todos receberiam a mesma coisa, a solução. Mas não, resolveram que o achismo e defender seu lado é a solução, apenas ter o gostinho da vitória. Nem sempre a suposta vitória é o melhor.

Nós queremos que tudo isso acabe, que possamos sim sair e deixar de saber todos os dias quantos mortos teve. Quero que chegue logo o dia em que a notícia do dia seja, “Acabou a pandemia”, mas junto com isso o ser humano também terá que mudar. Enquanto isso viveremos à espera de um fim que nunca chegará, simplesmente porque o humano se recusa a compreender que seu tempo de disputas e poder acabou por aqui.

Olhe para frente, para os lados, para trás, compreenda que o mundo não gira em torno de você, não está sozinho, sem você todos vivem muito bem. O mundo foi feito por pessoas, muitas pessoas, para viverem em comunhão, uns ajudar os outros, mas isso se findou, e hoje mora a arrogância, o preconceito, a superioridade. Enquanto isso persistir seremos sugados pelo redemoinho do fim. Acredito que não é o que queremos.